close
logorovivo2

ALERTA: Como identificar alimentos ultraprocessados que são 'falsos saudáveis'

Um queijo muçarela, por exemplo, pode ser mais saudável do que aquele queijinho UHT que você come no lanche da tarde.

HUFFPOST BRASIL

10 de Maio de 2019 às 08:50

ALERTA: Como identificar alimentos ultraprocessados que são 'falsos saudáveis'

FOTO: (Divulgação)

São tantas opções no supermercado que é difícil saber qual é o melhor para a saúde. Para piorar a situação, existem muitos produtos que rondam nosso imaginário na hora de optar por um alimento saudável. 

 

Não é preciso ir muito longe para ter as melhores opções, basta prestar atenção na embalagem dos alimentos, principalmente na lista de ingredientes. Nutricionistas são unânimes sobre o que esta lista pode nos dizer: quanto menos, melhor

 

É com esta lista de ingredientes que você vai saber se um alimento é processado ou ultraprocessado.

 

Sabemos que alimentos in natura são aqueles que são minimamente processados, como frutas, verduras, grãos, entre outros.

 

Já os processados são produtos elaborados a partir de um alimento minimamente processado, adicionados de sal ou açúcar (ou outra substância culinária, como óleo ou vinagre). Por exemplo: queijos, enlatados, extrato ou concentrado de tomate, frutas em calda ou cristalizadas.

 

Os ultraprocessados, por sua vez, são aqueles produzidos pela indústria alimentícia e contam com aditivos químicos em sua formulação. Alguns exemplos são pão de forma, bisnaguinha ou salsicha, nuggets, entre outros. 

 

Por que os ultraprocessados são menos saudáveis?

 

No manual Alimentação Cardioprotetora, feito em parceria com o Hospital do Coração, o Ministério da Saúde recomenda evitar, em qualquer hipótese, o consumo de alimentos ultraprocessados

 

Esses alimentos têm baixa qualidade nutricional, são ricos em calorias e feitos com poucas quantidades de alimentos in natura ou minimamente processados.

 

Além disso, eles levam muitos aditivos químicos que têm efeitos desconhecidos na nossa saúde, como conservantes, estabilizantes, corantes, edulcorantes, aromatizantes, além de esconderem excesso de ingredientes nada saudáveis se consumidos em grandes quantidades, como açúcar, gordura vegetal hidrogenada e sódio. 

 

[O consumo de ultraprocessado] não é recomendado por trazer malefícios e consequências negativas para a saúde”, afirma guia, publicado no ano passado. 

 

O “falso saudável”

 

O problema dos ultraprocessados é que muitos deles estão atrelados à alimentação saudável ― mesmo contendo diversas substâncias que não são saudáveis. 

 

Muitas pessoas, por exemplo, escolhem um queijo processado UHT, como o “Polenguinho”, em vez de um queijo muçarela por acharem que o queijo amarelo é mais gorduroso e menos saudável.

 

O queijinho, na verdade, leva muito mais aditivos do que o mussarela, que é mais natural. 

 

Diferença na composição entre queijo muçarela e

Diferença na composição entre queijo muçarela e Polenguinho. Foto: Reprodução/Ministério da Saúde

 

Essa também é a realidade dos iogurtes. Automaticamente correlacionamos iogurte como um produto saudável, mas nem todos no mercado podem ser considerados como tal. Apenas os iogurtes naturais ou naturais desnatados podem ser realmente saudáveis. 

 

Diferença na composição entre iogurte natural desnatado e integral de

Diferença na composição entre iogurte natural desnatado e integral de mel. Foto: Reprodução/Ministério da Saúde

 

Se você baniu o famoso pão francês da dieta por achar que ele é “calórico” e o substituiu por um pão de forma light, saiba que esse é outro mito. Na verdade, um pão de forma pode conter o dobro de ingredientes do que o francês. 

 

Diferença na composição entre pãozinho e pão de

Diferença na composição entre pãozinho e pão de forma. Foto: Reprodução/Ministério da Saúde

 

O peito de peru e a bolacha de água e sal (que tem muito mais ingredientes do que isso) também são outros ultraprocessados que o Ministério da Saúde recomenda evitar. 

 

Peito de peru é um alimento

Peito de peru é um alimento ultraprocessado. Foto: Reprodução/Ministério da Saúde

 

O que fazer, então? 

 

Fazer uma compra sem ultraprocessados é mais difícil do que você imagina. Isso porque eles, geralmente, são mais baratos que os produtos in natura e ainda têm uma longa validade, o que os torna mais atrativos. Mas, se você quer fugir deles e ainda não sabe muito bem como, o Ministério da Saúde dá uma dica:

 

Uma boa forma de identificar um alimento ultraprocessado é observar a lista de ingredientes na embalagem do produto. Em geral, se são descritos CINCO ingredientes ou mais, o alimento é classificado como ultraprocessado, especialmente quando os ingredientes são basicamente formulações industriais ou com nomes desconhecidos.Manual Alimentação Cardioprotetora

 

Se você pensa que não lhe sobra nenhum alimento, saiba que existem muitas substituições nutritivas e igualmente abundantes. O Ministério citou algumas delas:

MAIS NOTÍCIAS

PRIMEIRA PÁGINA
RONDONIAOVIVO TV
DESTAQUES EMPRESARIAIS
PUBLICAÇÕES LEGAIS
COLUNAS