close
logorovivo2

JOÃO ZOGHBI: Confira a coluna "Lenha na Fogueira", por Zékatraca

O artista plástico João Zoghbi abriu exposição sobre seus 50 anos de artes visuais

ZÉKATRACA

17 de Setembro de 2018 às 15:55

JOÃO ZOGHBI: Confira a coluna "Lenha na Fogueira", por Zékatraca

FOTO: (Zékatraca)

‘De inicio, o material usado era esponja e quando descobri que era legal, passei a trabalhar com areia e argila. Na verdade, entrei mais no desenho. Ela me falava pra fazer os desenhos dos tapetes. O freguês encomendava um leão, uma águia, uma arara e eu desenhava, não tinha nem referencia de revista eu fazia de memória’

 

 

‘Tenho uma tela que considero muito importante na qual retrato a história da Madeira Mamoré e dos beradeiros, na qual o Zekatraca colocou o nome de “Guernica Beradeira”. Tem a estátua do Dom João Batista Costa em frente a Catedral que não é assim uma perfeição, mas, é uma obra barroca e tem a obra “Santa Ceia” na Jerusalém da Amazônia que tem mais de 3 metros de comprimento por 1,5 de altura toda em concreto aparente’

 

 

 

João Zoghbi

 

 

Arte 10 – Há 50 anos fazendo artes visuais com amor

 

O artista plástico João Zoghbi abriu exposição sobre seus 50 anos de artes visuais, na manhã da última sexta feira 14, na Galeria Afondo Ligório da Casa da Cultura Ivan Marrocos.

 

Antes da abertura oficial da exposição, foi servido “café da manhã” aos presentes, cujo cardápio contou com iguarias regionais como cuscuz com leite de coco, bolo de milho, suco de frutas regionais, tudo encomendado pelo artista que preza pela valorização das coisas produzidas em Rondônia e em especial na capital Porto Velho. “Afinal de contas sou beradeiro”.

 

A exposição que vai ficar na Galeria Afonso Ligório até o próximo dia 28, é composta de trabalhos em artes plásticas, charge, desenhos, esculturas, objetos e principalmente obras inacabadas. “Tem delas que comecei há mais de 20 anos”.

 

Para explicar sobre seus 50 anos de artes visuais, conversamos com o artista João Zoghbi e essa conversa, você pode Acompanhar a partir de agora:

 

 

ENTREVISTA

 

Zk – Fala sobre essa exposição?

 

J. Zoghbi – É uma retrospectiva da minha trajetória como artista. Comecei ajudando minha mãe quando tinha apenas 8 anos de idade. Minha mãe Hilda de Freitas Zoghbi fazia muitos trabalhos de desenho, pintura em tecido e o que mais ela gostava de fazer, eram tapetes bordados a mão e aqueles arranjos que era pra colocar no puxador da geladeira, na cristaleira, liquidificador etc.

 

Zk – Qual era sua missão nessa produção de sua mãe?

 

J. Zoghbi – Ela me convocou e meus irmãos, para ajudá-la. Acontece que as frutas tinham que ser esculpidas, era morango, caju, laranja, carambola... Ela fazia uns arranjos lindos, flores, folhas e um dia disse pra ela, deixe que essa parte eu faço. Nem sabia que estava fazendo escultura. De inicio, o material usado era esponja e quando descobri que era legal, passei a trabalhar com areia e argila. Na verdade, entrei mais no desenho. Ela me falava pra fazer os desenhos dos tapetes. O freguês encomendava um leão, uma águia, uma arara e eu desenhava, não tinha nem referencia de revista eu fazia de memória. O interessante era dentro da sala de aula.

 

Zk – Interessante por quê?

 

J. Zoghbi – É que eu desenhava mais que anotava as matérias. Meus cadernos eram verdadeiras obras de artes, cheios de desenhos. O nome dessa exposição “Arte 10” tem tudo a ver com aquela época.

 

Zk – Explica melhor?

 

J. Zoghbi – Eu ganhei uma nota dez do professor Pedro Batalha. Foi o seguinte, durante a aula fiz uma charge dele e pensei que seria punido por isso e para minha surpresa, ele gostou e me deu Dez como nota da prova. Tinha uma professora de arte que também me deu nota 10. Acontece que ela havia marcado prova para aquele dia e eu cheguei atrasado e não lembrava que era dia de prova, então fiz uma escultura na hora pra ela e ela me deu o 10 como nota da prova que eu não tinha feito. Por isso, coloquei o nome de “Arte 10” nessa exposição, que é para homenagear essas pessoas e pelo valor, quando você diz: “Esse cara é dez!”, o trabalho dele é dez o que quer dizer que é bom.

 

Zk – Podemos dizer que nas artes visuais você é um artista completo?

 

J. Zoghbi – Quando percebi que realmente eu era artista plástico, exatamente quando conheci Rita Queiroz que foi orientando a gente, naquele tempo eu, Geraldo Cruz, Pedro e outros, freqüentávamos o ateliê dela. Descobrimos que estávamos fazendo arte, porque ela havia chegado do Rio de Janeiro com uma imensa bagagem de conhecimento sobre artes plásticas e falou pra gente, que estávamos também inseridos nesse contexto. Na verdade, a gente fazia aquilo por achar bonito. Nunca me limitei à técnicas, como não sou acadêmico, não tenho a escola das belas artes, sou autodidata, pra mim, tudo era importante aprender a fazer. Fui buscando a técnica sozinho, passei a fazer todas as técnicas pela necessidade de aprender. Aprender sozinho é isso, você vai imitando. Era Miguelangelo, Salvador Dali, gosto da arte surrealista, gosto da arte impressionista, expressionista, moderna, não tenho limite; É tanto que quando comei no desenho, comecei a fazer charge e caricatura ao ponto de a “Revista Nossa” ficar interessada e eu passei a fazer uma página só de charge. Isso foi a ponte pr'eu ir pro Diário da Amazônia.

 

Zk – Por falar nisso, quanto tempo você ficou trabalhando no Diário da Amazônia?

 

J. Zoghbi – Foram 24 anos e oito meses, me mandaram embora faltando quatro meses pra eu completar 25 anos como chargista lá. O Diário da Amazônia me deu a oportunidade de também mostrar meu talento na parte do desenho, ilustração, sai da prancheta para o desenho eletrônico, a imagem digitalizada. Hoje faço animação. Fui o primeiro ganhador do prêmio de animação do Festcine Amazônia. Gosto também de filmar, ganhamos o prêmio Guarnecer de cinema com o filme “Marcas da Amazônia” que é um dos mais difíceis e acontece no Maranhão, junto com o Jurandir Costa, a produção contou com o Geraldo Cruz, Joeser, Rita Queiroz e ganhamos prêmios fazendo performance, instalações etc.

 

Zk – O que a arte representa pra você?

 

J. Zoghbi – A arte é o meu mundo, esse mundo maravilhoso que quis colocar nessa exposição. São 50 anos de artes visuais.

 

Zk – Você tem seu estilo. Fala sobre o estilo Zoghbi de fazer arte?

 

J. Zoghbi – Quando fui para a publicidade, conheci o Edvaldo Viecelli e o Marco Aurélio que foram meus diretores na área de publicidade, eles abriram meus olhos no sentido de você fazer uma boa assinatura, criar uma marca, de simplificar, de estilizar e após alguns trabalhos na publicidade, passei a olhar a obra de arte com mais estilo e então, criei um traço que é o que passou a me identificar e inclusive já fez escola. Ganhei o prêmio da Listel naquela época, depois ganhei vários outros prêmios como da Aeronáutica, da Brigada, Marinha, 100 anos de Porto Velho e por aí vai.

 

Zk – Qual obra sua, você considera como a mais valiosa?

 

J. Zoghbi – Tenho a escultura que fica em frente a Casa Ivan Marrocos “O cassaco” que foi uma das obras mais bem pagas que já produzi. Isso foi na época que o secretario de cultura era o Rui Motta e nos contratou eu, Geraldo, Rita e Joeser para desenvolver essas obras, que estão instaladas no entorno da Ivan Marrocos. Tenho uma tela que considero muito importante na qual retrato a história da Madeira Mamoré e dos beradeiros na qual o Zekatraca colocou o nome de “Guernica Beradeira”. Tem a estátua do Dom João Batista Costa em frente a Catedral que não é assim uma perfeição, mas, é uma obra barroca e tem a obra “Santa Ceia” na Jerusalém da Amazônia que tem mais de 3 metros de comprimento por 1,5 de altura toda em concreto aparente. Tem uma escultura de São Francisco la na Jerusalém também e a Nossa Senhora Aparecida. Tenho obra na Itália, tem no Presépio Internacional da Associação São Tiago Maior que é a Família Sagrada, só, que são “Seringueiros”. Gosto muito desse estilo sacro, que aprendi vendo o Afonso Ligório na época que estudava na Escolinha Domingos Sávio. Ele estava fazendo o retrato do próprio Domingos Sávio na parede da escola, e eu nem sabia que aquele pintor era o Afonso LIgório. Tenho gratidão por esses grandes mestres como o Roberto Cunha – Fracasso que me ensinou a fazer cenários.

 

Zk – Vamos encerrar se não a gente amanhece o dia aqui conversando. A exposição “Arte 10” fica na Ivan Marrocos até quando e quais os horários de visita?

 

J. Zoghbi – De acordo com a programação a Exposição fica na Casa da Cultura até o próximo dia 28. A Galeria Afonso Ligório fica aberta pra visita das 7h30 até às 19 horas diariamente, com exceção de domingo. Obrigado pela oportunidade.

JOÃO ZOGHBI: Confira a coluna "Lenha na Fogueira", por Zékatraca

MAIS NOTÍCIAS

PRIMEIRA PÁGINA
RONDONIAOVIVO TV
DESTAQUES EMPRESARIAIS
PUBLICAÇÕES LEGAIS
COLUNAS