close
logorovivo2

Vivaldo Garcia o vereador que virou cantor

Em virtude do sucesso do seu programa, se elegeu vereador em 1982. Vivaldo se destacava junto aos seus pares e o público de modo geral, pelo vozeirão grave, além de ser bom orador. Peemedebista juramentado, tinha como ídolo, o então deputado Jerônimo Sant

ZÉKATRACA

20 de Janeiro de 2017 às 14:12

Vivaldo Garcia o vereador que virou cantor

FOTO: (Divulgação)

 Vivaldo Garcia surge com destaque na radiodifusão de Porto Velho, no final da década de 1970 e início da década de 1980, como apresentador (locutor) da Rádio Eldorado do Brasil (AM).

Em virtude do sucesso do seu programa, se elegeu vereador em 1982. Vivaldo se destacava junto aos seus pares e o público de modo geral, pelo vozeirão grave, além de ser bom orador. Peemedebista juramentado, tinha como ídolo, o então deputado Jerônimo Santana famoso pelos seus pronunciamentos na Câmara dos Deputados, criticando a ditadura militar. Vivaldo conseguiu se eleger presidente da Câmara de Vereadores de Porto Velho e então, resolveu gravar um LP (disco de vinil) com músicas de compositores locais e de sua própria autoria.

Com o lançamento do LP “Melô do Pacu Grande”, conseguiu destaque em toda região Norte e no Nordeste entrou pra valer no Ceará. Enquanto na Amazônia o sucesso era a música “Melô do Pacu Grande” cujo clipe foi gravado com uma jovem “popozuda”, dançando em cima das bancas de peixe do Mercado Central vestida numa saia bem curtinha, no Nordeste o destaque foi a música “O Convencido” que se transformou no Hino da Associação dos Cornos de Rondônia - ASCRON.

Vivaldo além de vereador foi secretário de Obras na gestão do prefeito José Guedes. Em consequência do sucesso como cantor, Vivaldo se transformou em boêmio irresponsável e pouco comparecia a Câmara e terminou por não se reeleger.

Uma das cenas que entrou para o anedotário político do parlamento mirim de Porto Velho, é contada nesta edição pelo fotografo Rosinaldo Machado:

Vereador quebra a Tribuna da Câmara

O Vereador Vivaldo Garcia, do PMDB, que ficou nacionalmente conhecido como compositor e cantor do Bregão "Melô do Pacu Grande", assustou e divertiu o público presente na sessão da Câmara de Vereadores de Porto Velho, do dia 23 de junho de 1983, pelos modos exaltados e descontrolados quando começou a fazer seu habitual pronunciamento na Tribuna da Casa de Leis do Município. Demostrando total descontrole e olhos arregalados, ele batia com tanta força no púlpito que acabou tirando lascas e pedaços e em seguida desmontou toda a tribuna.

Vivaldo Garcia atacou furiosamente o prefeito Sebastião - Tião - Valadares e seus Secretários, chamou o Governador Jorge Teixeira de "MILICO BIÔNICO E DITADOR" e depois descarregou sua ira contra a Caerd, Ceron e Detran e foi enveredando por diversos assuntos sempre relacionados com os problemas que a cidade tinha.

Quando ele deu a última porrada na tribuna e ela desabou, ele veio junto, para a alegria das pessoas que estavam nas galerias.

Com todos os vereadores de pé, assustados e surpresos com a atitude de Vivaldo Garcia, o vereador Lucindo Quitans do PDS, solicitou a providência da mesa diretora, que imediato acionou o departamento médico e então o Dr. Genival Queiroga lhe aplicou um calmante e deu alguns pontos em sua mão direita que ficou machucada por causa da sua fúria.

Antes de ser retirado do plenário, ele pediu desculpas e disse que pagaria um carpinteiro para refazer a Tribuna que foi destruída.

O comentário do dia seguinte foi: A MENINA DO PACU GRANDE TRANSTORNOU A CABEÇA DO VEREADOR.

MAIS NOTÍCIAS

PRIMEIRA PÁGINA
RONDONIAOVIVO TV
DESTAQUES EMPRESARIAIS
PUBLICAÇÕES LEGAIS
COLUNAS