close
logorovivo2

Governo do Estado investe cerca de R$ 500 mil na 29ª edição do Flor do Maracujá

Governo do Estado investe cerca de R$ 500 mil na 29ª edição do Flor do Maracujá

DA REDAÇÃO

28 de Maio de 2010 às 14:04

Governo do Estado investe cerca de R$ 500 mil na 29ª edição do Flor do Maracujá

FOTO: (Divulgação)

O Governo de Rondônia, através da secretaria de estado da Cultura, Esporte e Lazer (Secel), está investindo cerca de R$ 500 mil em infra-estrutura para garantir a realização da maior festa folclórica da Região Norte, o Arraial Flor do Maracujá, que será realizado em Porto Velho no período de 25 de junho a 04 de julho.
 
Segundo o secretário da Secel, Jucélis Freitas, a Secretaria está licitando todo o serviço da parte de infra-estrutura da festa, que compreende palco, som, luz, arena, arquibancadas, camarotes, banheiros químicos, construção das barracas e serviço de segurança. “Um investimento de cerca de R$ 500 mil para garantir a realização do Arraial Flor do Maracujá e proporcionar à população o acesso a essa cultura rondoniense”, afirmou o secretário.
 
Flor do Maracujá em novo local
 
Jucélis Freitas também ressaltou que este ano o Flor do Maracujá será realizado em um local maior com 320 mil metros quadrados de área toda murada com estacionamento para dois mil carros. Apesar do novo local da 29ª Mostra de Quadrilhas e Bois-Bumbás ser bem maior que na edição anterior, a Secel optou por não aumentar o número de pontos comerciais e sim garantir uma maior locomoção e conforto para o público, que poderão ter acesso às barracas que estarão comercializando comidas e bebidas típicas durante a Mostra. “Nossa intenção é oferecer comodidade e diversão ao público que irá prestigiar a festa, assim como garantir melhores condições de trabalho e lucratividade para os ambulantes”, informou Jucélis Freitas.
 
A Secel informou ainda que todas as pessoas que estarão trabalhando no Flor do Maracujá na comercialização de comidas e bebidas vão passar por um treinamento, sobre segurança e manipulação de alimentos que será ministrado por profissionais da Vigilância Sanitária. Durante a realização da festa a Vigilância Sanitária também fiscalizará o local. A medida é para garantir a qualidade dos alimentos que serão comercializados.
 
Além das apresentações dos grupos folclóricos o público contará também com apresentações de shows musicais e parque de diversões um evento que oferece diversão para a família toda.
 
Governo do Estado busca alternativas para apoiar apresentações
 
O Governo do Estado, que sempre apoiou financeiramente as Quadrilhas Juninas e Bois-Bumbás, a exemplo do que ocorreu no ano passado, quando a Secretaria de Estado da Cultura, Esporte e Lazer (Secel), repassou R$ 250 mil para que os grupos confeccionassem as alegorias, este ano está impedido pela Lei 9.504/07 (Lei Eleitoral) de efetuar o repasse para a Federação dos Grupos Folclóricos do Estado de Rondônia (Federon).
 
O governador João Cahulla determinou que sua equipe busque junto a iniciativa privada alternativas para apoiar os grupos. Na próxima segunda-feira (31), o secretário chefe da Casa Civil, Guilherme Erse, terá uma reunião com o superintendente do Banco do Brasil, Reinaldo Yokoyama, para tratar sobre o assunto. O Banco do Brasil é a instituição financeira que gerencia as contas do estado e também é parceira do Governo de Rondônia.
 
O secretário Jucélis Freitas informou ainda que no próximo dia 1º de junho o Ministério da Cultura deve votar o projeto Flor do Maracujá, que autoriza a Federação dos Grupos Folclóricos do Estado de Rondônia (Federon) e a Secel a buscarem patrocínio junto à iniciativa privada. Recurso esse se aprovado poderá ser abatido no imposto de renda.
 
 
O que a Lei estabelece em ano eleitoral
 
A Lei 9.504, de 30 de setembro de 1997, no Artigo 73, diz o seguinte: “São proibidas aos agentes públicos, servidores ou não, as seguintes condutas tendentes a afetar a igualdade de oportunidades entre candidatos nos pleitos eleitorais:
 
Inciso 10 – No ano em que se realiza eleição, fica proibida a distribuição gratuita de bens, valores ou benefícios por parte da Administração Pública, exceto nos casos de calamidade pública, de estado de emergência ou de programas sociais autorizados em lei e já em execução orçamentária no exercício anterior, casos em que o Ministério Público poderá promover o acompanhamento de sua execução financeira e administrativa.

MAIS NOTÍCIAS

PRIMEIRA PÁGINA
RONDONIAOVIVO TV
DESTAQUES EMPRESARIAIS
PUBLICAÇÕES LEGAIS
COLUNAS