close
logorovivo2

MOMENTO LÍTERO CULTURAL

POR SELMO VASCONCELLOS

14 de Janeiro de 2019 às 14:54

MOMENTO LÍTERO CULTURAL

FOTO: (DIVULGACÃO)

01-PABLO NERUDA

Amor, quantos caminhos até chegar a um beijo,
que solidão errante até tua companhia!
Seguem os trens sozinhos rodando com a chuva.
Em taltal não amanhece ainda a primavera.


Mas tu e eu, amor meu, estamos juntos,
juntos desde a roupa às raízes,
juntos de outono, de água, de quadris,
até ser só tu, só eu juntos.


Pensar que custou tantas pedras que leva o rio,
a desembocadura da água de Boroa,
pensar que separados por trens e nações


tu e eu tínhamos que simplesmente amar-nos
com todos confundidos, com homens e mulheres,
com a terra que implanta e educa os cravos.

 

02-VINICIUS DE MORAES

SONETO DO AMOR TOTAL

 

Amo-te tanto, meu amor… não cante
O humano coração com mais verdade…
Amo-te como amigo e como amante
Numa sempre diversa realidade

 

Amo-te afim, de um calmo amor prestante,
E te amo além, presente na saudade.
Amo-te, enfim, com grande liberdade
Dentro da eternidade e a cada instante.

 

Amo-te como um bicho, simplesmente,
De um amor sem mistério e sem virtude
Com um desejo maciço e permanente.

 

E de te amar assim muito e amiúde,
É que um dia em teu corpo de repente
Hei de morrer de amar mais do que pude.

 

03-JOSÉ MAURO DE VASCONCELOS

Você vai achar a vida linda...

Sempre depois que chove...

 

04-JEAN-PAUL MESTAS - FRANÇA
CADASTRE IMAGINAIRE

Ici resteront les murmures
avec un peu de terre
empruntée aux vieux temps;

à côté seront les silences
entourés de souffles discrets
comme celui des femmes
aux avant-postes de l'amour;

ailleurs, beaucoup plus loin,
revivront les statues
qui dormaient dans notre mémoire.
*****
CADASTRO IMAGINÁRIO

Aqui ficarão os murmúrios
com um pouco de terra
emprestada dos velhos tempos;

ao lado estarão os silêncios
cercados por sopros discretos
como aqueles das mulheres
nos postos avançados do amor;

longe, bem mais distantes,
renascerão as estátuas
que dormiam em nossa memória.

Tradução : Neusa Zanirato
 

05-IVES GANDRA DA SILVA MARTINS

Elegia da Ponte Descoberta

 

Sobre a ponte do meu ao teu retrato

O silêncio cantava silencioso.

 

Ponte nascida, de repente,

Descortinando espantos e desejos.

 

Eram duas montanhas existentes,

Sem saberem das fontes.

E as fontes eram lá.

As fontes gêmeas sombras, entretanto,

Não compreendiam

Os reflexos celestes das irmãs.

Mas as fontes já se amavam.

 

Ó desconhecimento gerador,

Quanta vaga descoberta na suspeita

Da tua própria origem!

A criação instântica vivida

Mostra, sempre, mais vivência rediviva,

Que uma existência inteira de miragens.

As fontes brotaram para o amor

E as fontes amam fontes desiguais.

Eis porque

As fontes eram lá,

Sem saberem das fontes.

E as fontes já se amavam.

 

06-ZANOTO

ALEGRIA

 

Um raio de alegria,

igual ao sol,

que trêmulo,

dançar no céu,

como uma lamina de fogo,

varou-lhe a alma,

desfazendo a angustia

das trevas e do silêncio

em que vivia.

 

07-ENO TEODORO WANKE

SONETO DO AMOR SINCERO

 

Talvez que o povo ria, quando veja

que andamos abraçados pela rua

do nosso bairro afora, em plena lua

de mel brilhando em nossa vida andeja...

 

Talvez que aquela gente nos eleja

os tolos do lugar, enquanto atua

em nós o nosso amor, que continua

ao som nupcial da nossa velha igreja...

 

Talvez que não suportem teus olhares

nos meus quando, querida, te declares

a minha namorada sem defeito...

 

Talvez que nos invejem... e achem torta

a nossa vida alegre... ora, que importa?

Os pássaros adoram nosso jeito!

 

08-NEUSA ZANIRATO

UM DIA DE PAZ

Hoje eu só queria um dia de paz.
Ouvir uma doce flauta ao invés
De uma sirene da polícia. E mais:
Um sorriso de criança outra vez.

Hoje eu queria um colar de estrelas
Enfeitando de cor e luz a Terra,
Muitas flores em todas as janelas,
E que ninguém soubesse o que é guerra.

Hoje, só hoje, acabar com a fome
Que mora nos olhos da menininha
Por conta da pobreza que consome.

Um dia em paz, Senhor, pois se avizinha
A urgência dessa pausa de dor
Em nome do recém-chegado amor.

 

09-PAULINHO TAPAJÓS

O retrato do meu velho avô.

 

Era um rosto magro
Em meio à multidão
Que morava às margens do amor
Conhecia as aves e as manhãs
E contava histórias de Jesus
Tinha as mãos marcadas
Tão magras meu avô
Parecia um bom pastor
Que bebia as águas das manhãs
E contava histórias de Jesus
Muito chorou seu rosto envelheceu
E ele deixou de tudo que era seu
Um velho retrato
A foto da vida pra mim

 

09-EVE CAZALA – FRANÇA

J’ai planté dans le jardin

ils refleuriront demain

un coucou une angélique

un bouquet d’herbes magiques

et un pied de véronique

           

triolets et notes blanches

il fait un bleu gaélique

dans les yeux de la pervenche.

*****

Eu plantei no jardim

e reflorirão amanhã

um cuco, uma angélica,

um buquê de ervas mágicas

e um pé de verônica

 

 trevos e noites brancas

 faz-se um azul gaélico

 nos olhos da violeta.

Tradução: Neusa Zanirato

 

10-SELMO VASCONCELLOS

NICTÊMERO

Numa noite
Onde encontrei a chuva
Onde encontrei a ternura
Onde encontrei a paz
Onde as nuvens se despediam
Dando lugar às estrelas
Que já mostravam seu brilho
Dando lugar ao luar
A lua iluminava meu caminho
A lua iluminava meu olhar
Com seu brilho eu via a beleza da Terra
Agora é a vez do Sol
Ah ! é lindo o seu nascer.
*****
CRÉPUSCULAIRE

La nuit
Où j’ai rencontré la pluie
Où j’ai recontré la tendresse
Où j’ai trouvé la paix
Où prenaient congé les nuages
En donnant un lieu aux étoiles
Qui déjà montraient leur brillance
Donnant un lieu au clair de lune
La lune éclairait mon chemin
La lune éclairait mon regard
Me découvrait la beauté de la Terre
Maintenant c’est au tour du Soleil
Ah ! as naissance cest belle.

Tradução: Jean-Paul Mestas – FRANÇA.

MAIS COLUNAS

Selmo Vasconcellos

PRIMEIRA PÁGINA
RONDONIAOVIVO TV
DESTAQUES EMPRESARIAIS
PUBLICAÇÕES LEGAIS