close
logorovivo2

Toyota russa antecipa rumos do Corolla no Brasil

Se em time que está ganhando não se mexe, a Toyota quer surfar o máximo possível na onda desta goleada sem precisar se mexer -- o que significa investir.

DA REDAÇÃO

1 de Julho de 2016 às 16:06

Toyota russa antecipa rumos do Corolla no Brasil

FOTO: (Divulgação)

O facelift de meia-vida para a 11ª geração do Toyota Corolla já começou a sair do forno. Programado para começar a ser vendido na Europa entre o fim deste ano e início de 2017, o modelo apareceu ao vivo pela primeira vez em apresentação ao mercado russo, no fim da semana passada.

Conforme antecipado por UOL Carros em março, o sedã reestilizado só deve aparecer no mercado brasileiro em meados do ano que vem, e isso significa que nem mesmo uma amostra antecipada no Salão de São Paulo, em novembro, está nos planos da marca.

Motivo para tanta espera está no abismo que o best seller da fabricante criou sobre os concorrentes desde a chegada da atual geração: entre janeiro e março de 2016, para se ter uma ideia, o Corolla vendeu 26.475 unidades, número maior que o detodos os seus concorrentes somados.

VEJA TAMBÉM: OS 20 CARROS MAIS ECONÔMICOS DO BRASIL EM 2016

 

Honda Civic, Nissan Sentra, Chevrolet Cruze, Volkswagen Jetta, Renault Fluence, Citroën C4 Lounge, Ford Focus Sedan, Fiat Linea, Kia Cerato, Mitsubishi Lancer, Peugeot 408 e JAC J5 foram responsáveis, juntos, por 25.860 emplacamentos.

Se em time que está ganhando não se mexe, a Toyota quer surfar o máximo possível na onda desta goleada sem precisar se mexer -- o que significa investir.

Como ficou

As primeiras imagens físicas do novo Corolla confirmam a impressão deixada pelos desenhos de estúdio já divulgados. O três-volumes teve visual levemente modificado na dianteira: para-choque musculoso e com secções mais incisivas; faróis mais afilados (especialmente nas pontas internas) e que invadem a grade, esta menor e predominada por divisórias cromadas.

Embora pontuais, as mudanças deixaram o aspecto visual um pouco mais jovem. Não há alterações no desenho das laterais ou traseira.

Por dentro também foram feitos retoques a fim de deixar o ambiente menos "tiozão". A tela digital centralizada do quadro de instrumentos continua com as mesmas 4,2 polegadas, porém agora com gráficos coloridos. A central multimídia foi atualizada para a segunda geração do sistema Toyota Touch, passando de 6,1 para 7 polegadas, e ainda ganhou contornos em preto piano.

Volante recebeu novo acabamento no aro inferior e número maior de comandos multifuncionais. Entretanto, o desenho básico do painel continua igual e um tanto defasado, especialmente em relação às saídas de ar centrais e ao tradicional (porém obsoleto) relógio digital.

Atrás da concorrência

Seria uma boa para a divisão brasileira da Toyota seguir o caminho que a Rússia adotou. Por lá o sedã médio foi incrementado com: ar-condicionado automático de duas zonas, sensores traseiros de estacionamento, vidros elétricos com função um-toque em todas as posições, reforços no isolamento acústico e suspensões retrabalhadas, o que aumentou a altura livre do solo em 1,5 cm.

É provável que o pacote do Corolla brasileiro receba boa parte desses recheios, especialmente porque as novas gerações de Cruze e principalmente do rival conterrâneo Civic estão chegando para elevar o patamar tecnológico do segmento. O item mais importante a estrear na configuração nacional do três-volumes reestilizado será o controle de estabilidade.

No restante do mercado europeu haverá ainda as estreias de rodas de liga leve aro 17, frenagem emergencial, assistente de manutenção de faixa e acendimento automático de luz alta. Não há confirmação quanto a esses equipamentos, mas seriam elementos capazes de enfim equiparar o Corolla com seus mais avançados concorrentes.
Trens-de-força não devem mudar: 1.8 ou 2.0 flex, de 144 e 154 cv (etanol), respectivamente, acoplados a transmissão manual de cinco marchas ou CVT (continuamente variável).

 

MAIS NOTÍCIAS

PRIMEIRA PÁGINA
RONDONIAOVIVO TV
DESTAQUES EMPRESARIAIS
PUBLICAÇÕES LEGAIS
COLUNAS