close

IMPRUDÊNCIA: Após cirurgia, paciente ficou com gaze dentro do corpo por 3 anos

Médico foi indiciado em inquérito policial. Paciente diz que irá processar Estado e o ginecologista Compartilhamentos

SELES NAFES

2 de Julho de 2019 às 11:10

IMPRUDÊNCIA: Após cirurgia, paciente ficou com gaze dentro do corpo por 3 anos

FOTO: (Divulgação)

Um médico ginecologista do Amapá foi indiciado pela Polícia Civil no inquérito que apura o esquecimento de uma gaze dentro de uma paciente, durante uma cirurgia na Maternidade Mãe Luzia, ocorrida em julho de 2015. O objeto só foi retirado da paciente cerca de 3 anos depois.

 

A paciente é uma servidora pública de 39 anos que mora em Calçoene, município a 360 km de Macapá. A cirurgia foi necessária para a retirada de um feto de 3 meses durante uma gravidez ectópica, que acontece quando o embrião se desenvolve fora do útero.

 

Depois da cirurgia ela retornou para casa, e começou a se queixar de fortes dores. Ela voltou à Maternidade Mãe Luzia dias depois, mas, durante avaliação, o médico teria informado a ela que as dores eram normais.

 

Em 2018, um inchaço abaixo do abdômen e fortes dores fizeram a mulher procurar por atendimento médico na rede privada.

 

Eu precisei fazer um empréstimo de R$ 3 mil para consultas e exames”, lembra ela, que pediu para não ter o nome divulgado. 

 

Exames de imagem mostraram que havia um corpo estranho dentro dela, encapsulado. Em abril deste ano, a paciente foi submetida a uma cirurgia para a retirada do objeto. Ele pesou 500 gramas, e era composto de massa biológica. Dentro, havia tecidos de algodão.

 

A análise histopatológica e técnico pericial constatou que o organismo estranho encontrado no corpo da vítima é constituído por fibra entrelaçada de algodão, de origem têxtil, semelhante às gazes ou compressas, e a investigação concluiu que foram esquecidas no procedimento cirúrgico realizado em 2015, no Hospital Maternidade Mãe Luzia”, explicou o delegado Leandro Leite, da 6ª Delegacia de Polícia de Macapá.

 

O médico Deoci Franco Mont’Alverne foi indiciado pelo crime de lesão corporal culposa, majorada pela inobservância de regra técnica de profissão. A pena é de 2 meses a 1 ano de prisão, acrescida de 1/3. O inquérito foi encaminhado ao Conselho Regional de Medicina (CRM) para abertura de procedimento administrativo.

 

 

Danos

 

A servidora pública disse que agora pretende processar o Estado e o médico. O Portal SelesNafes.Com entrou em contato com o ginecologista. Ele ainda não havia sido comunicado sobre o indiciamento, e disse ter estranhado a decisão do delegado porque ainda aguarda o resultado de um novo exame.

 

“Eu solicitei uma contraprova em outro laboratório, já que a paciente tinha passado por cirurgias anteriores”, comentou o médico, deixando claro acreditar na possibilidade do objeto ter sido deixado em um procedimento anterior.

 

O CRM informou que ainda não recebeu o inquérito policial, mas que irá encaminhá-lo para a corregedoria assim que chegar.

 

Com base nos documentos será decidido se cabe abertura de sindicância ou processo ético-profissional. Ressaltamos que de acordo com o Código de Processo Ético-Profissional, os procedimentos administrativos, sindicância e/ou processo ético-profissional (PEP), que tramitam na autarquia estão sob sigilo processual”, informou a autarquia, em nota.

MAIS NOTÍCIAS

PRIMEIRA PÁGINA
RONDONIAOVIVO TV
DESTAQUES EMPRESARIAIS
PUBLICAÇÕES LEGAIS
COLUNAS