close
logorovivo2

INTERNACIONAL: Ação na Venezuela é exclusivamente de ajuda humanitária, diz porta-voz

Brasil preparou 200 toneladas de doações para país vizinho

AGÊNCIA BRASIL

23 de Fevereiro de 2019 às 08:20

INTERNACIONAL: Ação na Venezuela é exclusivamente de ajuda humanitária, diz porta-voz

FOTO: (Divulgação)

O fechamento da fronteira do Brasil com a Venezuela não afetou o plano do governo brasileiro de distribuição de alimentos e medicamentos para a população venezuelana. O porta-voz da Presidência, Otávio do Rêgo Barros, afirmou hoje (22) que há cerca de 200 toneladas de alimentos, como arroz, feijão, açúcar, café, sal e leite em pó, além de kits de primeiros-socorros “à espera do transporte”.

 

“A operação brasileira tem caráter exclusivamente de ajuda humanitária, não havendo qualquer interesse de nosso mpaíos em quais quer outras frentes neste momento”, ressaltou.

 

A ajuda humanitária para a Venezuela em um armazém, em Cúcuta, na Colômbia, perto da fronteira entre a Colômbia e a Venezuela.

A ajuda humanitária para a Venezuela armanazenada na fronteira entre a Colômbia e a Venezuela. - Luisa Gonzalez/Reuters/Direitos reservados

 

O porta-voz afastou a hipótese de combate quando questionado sobre os confrontos registrados hoje na região fronteiriça. "Nós não conjecturamos poder de combate", disse. "Nós não estamos avaliando qualquer possibilidade de ataque neste momento. As operações de fronteira são normais, de proteção do nosso território."

 

Transporte

 

Rêgo Barros disse que existe um caminhão venezuelano em Boa Vista, pronto para o transporte. Segundo o porta-voz, se o caminhão for impedido de entrar em território vizinho, retornará ao Brasil para “uma nova tentativa”.

 

“Se eventualmente, os caminhões venezuelanos, conduzidos por motoristas venezuelanos, tiverem alguma dificuldade, em dias subsequentes essas tentativas serão retomadas”, afirmou o porta-voz.

 

Caminhões chegam a um armazém, em Cúcuta, na Colômbia, onde a ajuda humanitária internacional para a Venezuela será armazenada perto da fronteira entre a Colômbia e a Venezuela.

Caminhões chegam a um armazém, em Cúcuta, na Colômbia, onde a ajuda humanitária internacional para a Venezuela será armazenada perto da fronteira entre a Colômbia e a Venezuela. - Carlos Eduardo RamirezReuters/Direitos reservados

 

Rêgo Barros disse que há uma previsão de disponibilizar 70 caminhões para o transporte de óleo diesel para o abastecimento de usinas na região. 

 

Segurança

 

Por questões de segurança, agentes brasileiros farão a segurança do transporte apenas em território nacional, passando pela fronteira. Segundo o porta-voz, a responsabilidade na área venezuelana é do presidente interino Juan Guaidó. 

 

De acordo com integrantes do governo federal que atuam diretamente na ajuda humanitária, há mais quatro veículos a caminho da capital de Roraima no esforço de cooperar com a distribuição dos donativos. Somente veículos venezuelanos conduzidos por motoristas da Venezuela vão distribuir a ajuda brasileira está programada para começar amanhã (23).

 

Desde ontem (22) à noite a fronteira da Venezuela com o Brasil está fechada, por determinação do presidente Nicolás Maduro, cuja reeleição é considerada ilegítima. O Brasil reconhece o deputado oposicionista Juan Guaidó como presidente interino da Venezuela.

 

Reunião

 

Bolsonaro convocou reunião na tarde de hoje para tratar do assunto. Sete ministros e representantes de outras três pastas estiveram no encontro. O governador de Roraima, Antonio Denarium, participou por videoconferência. Segundo o porta-voz, a reunião foi para “delinear estratégias para a ação de ajuda humanitária”.

 

O governo brasileiro enviou hoje uma aeronave da Força Aérea Brasileira (FAB) para o estado, na fronteira com a Venezuela, alimentos e medicamentos para a população venezuelana  mas Maduro não quer que a ajuda humanitária internacional entre no país, alegando que os Estados Unidos e os países aliados querem dar um golpe na Venezuela.

 

Mísseis

 

Segundo Rêgo Barros, o governo brasileiro não trabalha com a possibilidade do governo venezuelano ter posicionado mísseis apontados para a fronteira com o Brasil. “Sobre o posicionamento de mísseis MK próximos à fronteira, não está confirmado.”

MAIS NOTÍCIAS

PRIMEIRA PÁGINA
RONDONIAOVIVO TV
DESTAQUES EMPRESARIAIS
PUBLICAÇÕES LEGAIS
COLUNAS