close
logorovivo2

REFORMA: Servidores que ganham teto pagarão 22% de alíquota previdenciária

Por outro lado, os servidores que ganham até R$ 5 mil terão redução para 7,5% de contribuição previdenciária. Laranjas foram usadas em protestos contra Bolsonaro

METRÓPOLES

20 de Fevereiro de 2019 às 10:00

REFORMA: Servidores que ganham teto pagarão 22% de alíquota previdenciária

FOTO: (Divulgação)

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) chegou pouco antes das 9h30 desta quarta-feira (20/2) no Congresso Nacional, onde entregou pessoalmente aos parlamentares o texto da reforma da Previdência. O chefe do Executivo chegou acompanhado de ministros e apoiadores e seguiu direto ao gabinete da Presidência da Câmara.

 

Recebido por Rodrigo Maia (DEM-RJ) e Davi Alcolumbre (DEM-AP), presidentes da Câmara e do Senado, respectivamente, ele saiu sem dar nenhuma declaração pública a respeito do tema. Bolsonaro entregou o texto no gabinete de Maia e, apesar de haver um púlpito montado na saída do gabinete da Presidência da Câmara, o chefe do Executivo não deu coletiva de imprensa. Sua visita durou menos de meia hora.

 

Secretário da Previdência 

 

O secretário especial da Previdência Social, Rogério Marinho, afirmou, durante passagem pela Câmara, que a alíquota de contribuição previdenciária dos servidores que recebem o teto do funcionalismo, de aproximadamente R$ 33 mil, será de 22%. Atualmente, a alíquota aplicada sobre os salários das categorias é de 11%. Se o texto passar no Congresso, provocará efeito cascata nos estados e municípios. Por outro lado, os servidores que ganham até R$ 5 mil terão redução para 7,5% de contribuição previdenciária.

 

Protestos

 

Ao chegar no Salão Verde, que fica logo na frente do plenário, mesmo com as passagens bloqueadas pela segurança da Casa, Bolsonaro foi recebido sob protestos da oposição, que gritava “laranjal” em referência às denúncias que levaram à queda do ministro da Secretaria Geral da Presidência, Gustavo Bebianno (PSL), suspeito de ter usado candidaturas laranja para desviar dinheiro de campanha.

 

Anos de contribuição 

 

O presidente, segundo membros da equipe econômica, mexeu pouco no texto apresentado por Paulo Guedes, ministro da Economia. Bolsonaro concordou em manter o alcance das mudanças para todas as categorias da iniciativa privada e do setor público, incluindo militares e políticos, para barrar as resistências de grupos organizados que já se formam no Congresso em meio a uma base aliada ainda desorganizada na Câmara.

 

Na versão do texto discutida até terça (19) à noite, ficou definida a exigência de 40 anos de contribuição para que os segurados do INSS recebam 100% do salário de contribuição, desde que respeitado o teto do INSS (hoje em R$ 5,839 mil). O valor é o mesmo que está na minuta da proposta antecipada há duas semanas.

 

Idade inicial

 

Além disso, especula-se que a proposta vai incluir ajustes de última hora. No texto, foi elevada para 61 anos a idade mínima inicial de aposentadoria para os homens do setor privado (INSS). Na semana passada, técnicos da equipe econômica informaram que a transição para trabalhadores da iniciativa privada partiria de 60 anos, mas os números foram recalculados pela equipe. No caso das mulheres, ficou mantida a idade inicial de 56 anos.

 

Essas idades começarão a subir seis meses a cada ano, a partir da aprovação da reforma, até chegar em 65 anos (homem) e 62 anos (mulher). A transição completa para os 62 anos para mulheres e 65 para homens será de 10 anos.

MAIS NOTÍCIAS

PRIMEIRA PÁGINA
RONDONIAOVIVO TV
DESTAQUES EMPRESARIAIS
PUBLICAÇÕES LEGAIS
COLUNAS