close
logorovivo2

DIVERGÊNCIA POLÍTICA: Justiça acata denúncia e acusado de matar Moa do Katendê vira réu

Inquérito concluiu que a morte ocorreu após uma discussão sobre as eleições presidenciais

NOTICIASAOMINUTO

24 de Outubro de 2018 às 17:12

DIVERGÊNCIA POLÍTICA: Justiça acata denúncia e acusado de matar Moa do Katendê vira réu

FOTO: (Reprodução)

Acusado de matar o compositor e mestre de capoeira Romualdo Rosário da Costa, o Moa do Katendê, um dia após as eleições presidenciais em Salvador, o barbeiro Paulo Sérgio Ferreira de Santana tornou-se réu e vai responder na Justiça pelo assassinato.

 

A juíza Gelzi Maria Almeida Souza acatou nesta terça-feira (23) a denúncia do Ministério Público do Estado da Bahia que acusa Paulo Sérgio de homicídio e tentativa de homicídio duplamente qualificados.

 

Moa do Katendê foi atingido por 13 golpes de faca em um bar na comunidade Dique Pequeno, bairro da Federação, periferia da capital baiana.

 

O inquérito da Polícia Civil concluiu que o mestre de capoeira foi morto após uma discussão sobre as eleições presidenciais.

 

Segundo oito pessoas que testemunharam o crime, o mestre de capoeira defendeu o candidato Fernando Haddad (PT), enquanto o barbeiro disse que apoiava Jair Bolsonaro (PSL). Ambos discutiram e trocaram agressões verbais mútuas no bar.

 

Cerca de 20 minutos após a discussão, Paulo Sérgio voltou ao bar com uma faca e onde desferiu as facadas contra o mestre de capoeira, que estava sentado e de costas. Um primo de Moa também foi ferido com as facadas.

 

Em depoimento à polícia um dia após o crime, Paulo Sérgio confessou o crime e confirmou que a discussão foi motivada por diferenças políticas. No mesmo dia, em entrevista à imprensa, ele negou a versão e afirmou que teria discutido sobre futebol.

 

A versão, contudo, contrasta com o depoimento de oito pessoas que testemunharam o crime que convergem sobre a motivação política da discussão que resultou no crime.

 

Paulo Sérgio está preso preventivamente no Complexo Penitenciário de Mata Escura, em Salvador. O Ministério Público da Bahia solicitou que o réu seja levado a julgamento em juri popular.

 

Além de capoeirista, Moa do Katendê era compositor, percussionista, artesão e militante do movimento negro na Bahia. Foi um dos compositores do Ilê Aiyê, maior dos blocos afro da Bahia, e também um dos fundadores dos afoxés Badauê e Amigos do Katendê. Com informações da Folhapress.

MAIS NOTÍCIAS

PRIMEIRA PÁGINA
RONDONIAOVIVO TV
DESTAQUES EMPRESARIAIS
PUBLICAÇÕES LEGAIS
COLUNAS