close
logorovivo2

Banco Central projeta queda do PIB de 3,6% em 2015 e 1,9% em 2016

Banco Central projeta queda do PIB de 3,6% em 2015 e 1,9% em 2016

DA REDAÇÃO

23 de Dezembro de 2015 às 11:14

Banco Central projeta queda do PIB de 3,6% em 2015 e 1,9% em 2016

FOTO: (Divulgação)

O Banco Central projeta queda de 1,9% para o PIB (Produto Interno Bruto) de 2016, de acordo com o Relatório Trimestral de Inflação divulgado nesta quarta-feira (23). A instituição também revisou a estimativa de queda do PIB em 2015 de 2,7% para 3,6%. As projeções de inflação foram ampliadas.

As previsões para o PIB estão mais otimistas do que as de quedas de 3,7% e 2,8% apontadas pela pesquisa Focus feita pelo BC junto a economistas.

Na sua conta, a instituição afirma que o resultado incorpora "cenário de incertezas associadas a eventos não econômicos".

A produção agropecuária deverá crescer 1,7% e 0,5% nestes dois anos, segundo o BC. Para a indústria, são estimadas quedas de 6,3% e 3,9%. Também se destaca as retrações nos investimentos de 14,5% e 9,5%.

INFLAÇÃO

O BC também revisou a projeção de inflação de 2015 de 9,5% para 10,8%. Para 2016, passou de 5,3% para 6,2%. Para 2017, uma primeira estimativa aponta um IPCA (índice de preços ao consumidor) de 4,8%.

Para chegar a essas estimativas, o BC usa como referência a taxa básica de juros atual (14,25% ao ano) e um dólar a R$ 3,90 mantidos durante todo o período.

Os cálculos foram feitos com informações até a última sexta-feira (18), dia que terminou com o anúncio na troca do ministro da Fazenda. Considera ainda o rebaixamento da nota de crédito brasileira por uma segunda agência de avaliação de risco.

No documento, o BC afirma que adotará as medidas necessárias para restringir a inflação de 2016 ao limite de 6,5% e colocar o IPCA em 4,5% em 2017. Desde o mês passado, a instituição tem sinalizado que pode voltar a subir os juros no próximo ano para segurar a inflação.

O BC estima ainda que a probabilidade de a inflação ultrapassar o limite em 2016 é de 41%. Para 2017, o risco cai para 20%.

MAIS NOTÍCIAS

PRIMEIRA PÁGINA
RONDONIAOVIVO TV
DESTAQUES EMPRESARIAIS
PUBLICAÇÕES LEGAIS
COLUNAS