close
logorovivo2

Bomba derrubou no Egito avião russo com 224 a bordo, diz Moscou

Bomba derrubou no Egito avião russo com 224 a bordo, diz Moscou

DA REDAÇÃO

17 de Novembro de 2015 às 05:00

Bomba derrubou no Egito avião russo com 224 a bordo, diz Moscou

FOTO: (Divulgação)

ação publicada no site do governo russo, o chefe do serviço de segurança, Aleksandr Bortnikov, informou o presidente Vladimir Putin que as investigações detectaram traços de explosivos como a causa da queda. O avião caiu na península do Sinai 23 minutos após a decolagem. Não houve sobreviventes.

A bomba, segundo Bortnikov, tinha 1 kg de TNT. "Podemos dizer que, definitivamente, foi um ato terrorista", declarou. Putin ordenou uma investigação imediata sobre os autores do atentado, informou o governo.

No dia da queda do avião, um grupo extremista islâmico que atua na região do Egito, apontado como aliado da facção radical Estado Islâmico, reivindicou a autoria.

Segundo a agência de notícias russa Interfax, a Rússia prometeu uma recompensa de US$ 50 milhões (R$ 190 milhões) por informações que levem aos responsáveis por plantar a bomba que derrubou o avião da Metrojet. O serviço de segurança ressaltou que a quantia será paga em dólares.

Autoridades egípcias disseram à agência Reuters que dois empregados do aeroporto de Sharm al-Sheikh foram detidos por suspeitas de terem contribuído com a queda do avião.

A confirmação pelas autoridades russas de que realmente foi um atentado ocorre quatro dias depois dos ataques reivindicados pelo Estado Islâmico que mataram 129 pessoas em Paris. O episódio do avião russo deve aumentar a ação das potências ocidentais e da Rússia no combate ao EI, que ocupa territórios na Síria e no Iraque.

Na semana seguinte à tragédia no Egito, o governo britânico tinha terminado a suspensão dos voos comerciais para a região diante da suspeita de que uma bomba colocada na bagagem do avião russo, um Airbus 321, o havia derrubado. O primeiro-ministro britânico, David Cameron, e o presidente americano, Barack Obama, declararam naquele período que a hipótese de atentado era muito provável.

As primeiras investigações revelaram que o avião se partiu no ar pouco depois de decolar. A empresa aérea negara qualquer problema técnico.

Num primeiro momento, o presidente russo, Vladimir Putin, buscou desvincular o episódio de uma eventual reação à sua intervenção na Síria para combater o EI –forças russas atuam desde setembro em território sírio, numa aliança com o ditador Bashar al-Assad.

Na quinta-feira (12), o EI reivindicou o atentado em Beirute, no Líbano, que deixou ao menos 41 mortos —seria um revide ao grupo Hizbullah, aliado do ditador sírio, Bashar al-Assad, na guerra civil no país.

MAIS NOTÍCIAS

PRIMEIRA PÁGINA
RONDONIAOVIVO TV
DESTAQUES EMPRESARIAIS
PUBLICAÇÕES LEGAIS
COLUNAS